Gestão de pessoas, Sem categoria

As 7 maiores ameaças à produtividade da sua equipe

As equipes são partes fundamentais de um trabalho dentro da empresa. Elas são grupos de pessoas dispostas a trabalhar pelas suas próprias metas e, ainda, alcançar um objetivo em comum. Para aproveitar ao máximo esse empenho conjunto, com alta produtividade, a equipe precisa otimizar sua performance evitando problemas aos líderes e falhas de execução no trabalho.  

Como então aumentar a produtividade da equipe de maneira a melhorar os resultados obtidos pela empresa? Como manter todos engajados em trabalhar a favor da mesma causa?

  produtividade 2   Foi pensando nessas questões que listamos 7 ameaças recorrentes à produtividade das equipes e como contornar essas situações que são muito comuns nas organizações.  
  1. Urgência demasiada

Atualmente as pessoas vivem sufocadas por e-mails, imersas em preocupações decorrentes de incontáveis demandas e aflitas para fazer cada vez mais, com menos. Antes de agir pelo urgente é preciso atuar sobre o importante. É necessário não se perder em meio ao caos dos problemas; refletir, separar as atividades realmente importantes e prioritárias das irrelevantes, conseguindo contribuir significativamente com os resultados. Um ponto importante ainda é a falta de planejamento, que acarreta neste tipo de postura. Planejar as atividades com cautela diminui os riscos dos líderes e colaboradores terem que parar uma atividade pela metade para começar uma nova que “surgiu como prioridade de urgência”. Nessa situação, a qualidade de ambos os trabalhos acaba ficando comprometida.  
  1. Tipo de liderança

Os líderes fazem total diferença, eles são a primeira ponta entre uma “equipe ruim” e uma “equipe fantástica”. Líderes negligentes não fazem as coisas acontecerem, líderes urgentes matam a produtividade da equipe, líderes egocêntricos acabam com o propósito do mesmo. Um líder deve suportar, fornecer empowerment, constituir modelos de comunicação, determinar prioridades claras e dar poder de decisão ao time. O líder não precisa saber ou resolver tudo, ele precisa dar espaço para a equipe e com isso utilizar o potencial do grupo.  
  1. Ausência de pausas

Trabalhar em um local onde existe algum lugar onde o colaborador possa descansar a mente, respirar “fora da caixa” enquanto faz uma refeição pequena ou degusta uma pequena xícara de café, traz enorme satisfação à equipe e, consequentemente, maior produtividade. Independente do tamanho da empresa, é importante que o colaborador tenha uns minutinhos para descansar. Em atividades em que são exigidos movimentos repetitivos, a ginástica laboral oferece uma grande ajuda. Se este serviço não pode ser oferecido, é importante permitir que o funcionário leia uma revista, caminhe até a lanchonete na esquina ou simplesmente converse com os colegas fora da mesa de trabalho.  
  1. Estresse

Em um cenário de incertezas, como o que estamos vivendo no momento, a cobrança sobre gestores e colaboradores só tende a crescer. A busca pelo aumento dos resultados é incessante, porém as lideranças precisam se lembrar dessa ameaça à produtividade, o estresse. De que adianta acirrar as exigências aos funcionários se eles apresentam pior performance quando estão tensos? Alguma pressão é até necessária, até certo ponto o estresse é positivo. É fundamental saber motivar as pessoas a darem o melhor de si à empresa. Reconhecimento é uma das questões nesse ponto; funcionários que se sentem valorizados e sentem que a empresa se preocupa com sua saúde e vida pessoal, trabalham muito mais empenhados em participar do crescimento da mesma.  
  1. Desmotivação

Um colaborador desmotivado dificilmente trará bons resultados para sua empresa. Existem diversas maneiras de motivar sua equipe: capacitar os funcionários para que eles realmente tenham condições de realizar a função que você precisa, envolver a equipe na tomada de decisão e não apenas expô-la, comunicar-se com clareza e apresentar suas expectativas, recompensar o bom trabalho, criar perspectivas de progresso (com planos de carreira, por exemplo), instituir relações saudáveis, criar ambiente agradável e praticar gestos de agradecimento.  
  1. Reuniões em excesso

As reuniões internas são de extrema importância para que a equipe compreenda o que está de fato acontecendo com o trabalho que estão realizando. Ao compartilhar o objetivo e o progresso de cada etapa realizada, o time acaba recebendo um incentivo a trabalhar em conjunto para alcançar objetivos comuns. Um ponto importante neste caso é não extrapolar na quantidade de reuniões, evitando a queda da produtividade. O interessante seria agendar reuniões de equipe ou departamento uma vez por semana ou uma vez por mês, mantendo o dia e a hora reservados na agenda de todos.  
  1. Falta de feedback

O feedback é uma importante ferramenta para orientar os colaboradores e dar a eles o retorno sobre o trabalho que estão realizando. Ele pode ser feito por meio de resposta escrita, elogios, análise ou até opiniões diretas ao solicitante. É essencial reconhecer prontamente as realizações dos membros da equipe no momento em que acontecem, mas também falar sobre questões ou áreas que precisam ser melhoradas imediatamente. Feedbacks em tempo real habilitam as pessoas a realizarem seu trabalho, gera confiança e permite que eles saibam que caminho estão seguindo em todos os momentos. Um ponto importante ao realizar críticas construtivas ou feedbacks negativos é utilizar um espaço fechado; a empresa precisa de uma sala onde essas situações possam ser tratadas em particular, pois caso o contrário a ação pode ter efeito negativo. O mesmo vale para problemas e demais assuntos que precisam ser tratados com o gestor: conversas desse nível nos corredores ou onde outras pessoas possam acabar “participando”, afetam a produtividade do restante dos colaboradores e podem até gerar fofocas e conflitos.   Enfim, esperamos que este texto tenha lhe ajudado a enxergar melhorias no cotidiano de sua empresa. Os resultados partem de um trabalho contínuo, que deve permanecer em constante melhoria. Que tal começar já?

Veja mais em nosso Webinar: “O ser humano integrado nas organizações”