Gestão de pessoas, Sem categoria

Como engajar a equipe em prol de um resultado

Engajamento da equipe

Antes de engajar a equipe é importante se perguntar primeiro: – Eu tenho consciência de qual o resultado a atingir? – Eu como individuo estou realmente engajado em atingir este resultado? Se sim, o primeiro passo foi dado, caso contrário é importante refletir a respeito do assunto e se posicionar consigo mesmo e com a equipe, mas as vezes o impulso para  querer atingir o resultado aparecerá através de uma meditação, outras vezes através do diálogo com a equipe. Existe ainda um fio dourado que passa pela ponte da identificação do individuo com organização, esta identificação está ligada a sinergia entre os valores, visão e a missão (VVM) da organização com o VVM do individuo, muitas vezes essa ponte é suficiente para que o indivíduo se engaje em prol de um resultado. Também existe a ponte da motivação que contribui para este engajamento. Esta ponte está ligada ao sentimento, ao clima da empresa, a forma da liderança da organização, ao bem estar em relação as pessoas do grupo. Outro fator importante está ligado ao gostar da atividade a ser desenvolvida, a ter satisfação em realizar essa atividade, esta satisfação está ligado a ponte da dedicação, se identificar com algo que traz vontade. Ter a consciência que o resultado a ser atingido está relacionado a ponte da segurança que fornece os recursos ligados a necessidades básicas também pode engajar a equipe em prol do resultado. Além destas quatro pontes é importante identificar qual é o estágio do know how dos envolvidos verificando se a equipe tem a competência de fato, se exerce o fazer de forma natural ou se precisará ser capacitada e monitorada, isto evitará desgastes e cobranças injustas, facilitando o resultado em si e o engajamento da equipe. Mas na prática o mais importante para mim, onde o fio dourado desata qualquer nó é ter consciência que não basta engajar a equipe em prol de um resultado é fundamental “manter” a equipe engajada no dia a dia antes, durante e depois de atingir um resultado, porque a empresa vive ciclos intermináveis que constantemente precisam de resultados. O desafio é criar uma empresa onde a equipe tenha calor, vida, crença, confiança e porque não: fé. É trabalhar com o paradoxo do “monitoramento X fé”, é não ser polar (se livrar da radicalidade de conceitos absolutos), deixar espaço para o vazio, para o novo… o resultado será consequência e o engajamento da equipe acontecerá de forma natural.