Gestão de processos e rotinas, Sem categoria

Gargalos nos processos produtivos: 7 passos para identificá-los e como solucioná-los

Processos produtivos

Processos produtivos são compostos por diversas etapas, como compra de matéria prima, manufatura, embalagem, estocagem, controle de qualidade, vendas, etc. Resumindo, este processo consiste na transformação de recursos, onde é possível visualizar os dois extremos do processo: o input, ou entrada dos recursos a serem transformados, e o output, ou saída dos recursos transformados no processo.   Porém existem pontos dentro do processo que normalmente limitam sua capacidade final. Estes pontos são conhecidos como ‘gargalos’, e limitam a quantidade de produtos e/ou serviços ofertados aos clientes (internos e externos) em um determinado período de tempo.   CSR   Identificar gargalos no processo produtivo de uma empresa é uma tarefa bastante árdua, que não costuma acontecer de um dia para o outro. Infelizmente, muitas empresas têm o hábito de manter determinados processos, mesmo que estes não apresentem a efetividade que apresentaram no passado, se é que um dia apresentaram. Porém, por fazer parte das atividades diárias, e que resultarão diretamente no produto/serviço ofertado ao mercado, vale a pena identificá-los e, se necessário, mudar os processos, procurando sempre diminuir ou mesmo eliminar gargalos, otimizando os processos. Abaixo seguem sete passos para identificar e solucionar gargalos em seus processos produtivos:  

1 – Mapear e avaliar os processos

Inicialmente, faça um mapeamento dos processos atuais da empresa, avaliando o desempenho de cada um. Neste mapeamento será possível visualizar os gargalos que, por diferença de capacidade ou de simples desempenho, estão restringindo a capacidade do processo produtivo. Com o mapeamento será possível, também, visualizar uma larga escala de oportunidades de melhoria não aproveitadas.  

2 – Identificar os problemas e suas causas

Com o mapeamento dos processos, realize uma lista com os problemas críticos que estão diminuindo a eficiência do processo produtivo, causando os gargalos. Nesta parte, realize reuniões, permitindo que as equipes apontem os erros ou falhas que talvez você não esteja enxergando. Porém, cuidado para não fazer reuniões em demasia, atrapalhando ainda mais os processos já em execução e gerando desmotivação nas equipes responsáveis.  

3 – Buscar soluções e desenvolver Planos de Ação

Nesta etapa será possível buscar uma ou mais soluções para cada gargalo do processo produtivo. Porém, normalmente este é um processo difícil de realizar sozinho, então, novamente, busque nas equipes responsáveis para, juntos, encontrarem soluções criativas e eficientes através de um brainstorming, por exemplo, mantendo a equipe unida e integrada com o comprometimento de cada um, como parte do processo de mudanças, evitando ou diminuindo ao máximo as naturais resistências que surgem neste processo. O resultado disto será uma facilidade maior para a elaboração de Planos de Ação consistentes e que funcionem na prática.  

4 – Executar os Planos de Ação elaborados

Como não poderia deixar de ser, é importante continuar envolvendo as equipes responsáveis, garantindo a efetividade dos Planos de Ação e a otimização de fato dos processos produtivos.  

5 – Avaliar o desempenho dos Planos de Ação

Nem sempre um Plano de Ação desenvolvido trará a solução para o gargalo nos processos. Sendo assim, avalie sempre o desempenho de cada Plano de Ação, medindo se os resultados são satisfatórios ou exigem um Plano B, se os prazos estão sendo cumpridos, quem são os responsáveis por cada atividade, etc.  

6 – Pesquisar soluções alternativas

Um detalhe muito importante é não fazer com que os Planos de Ação elaborados engessem as atividades a serem realizadas. Jamais desconsidere outras opções apresentadas como soluções alternativas nas reuniões com a equipe (ou seja, escute-os realmente). Tais opções serão de fundamental importância para o desenvolvimento de um Plano B, caso o Plano de Ação inicialmente elaborado não apresente os resultados esperados na avaliação de desempenho.  

7 – Adotar a tecnologia como ferramenta para elaboração e medição dos Planos

Hoje em dia temos uma gama considerável de softwares que ajudam as empresas em diversas frentes. Voltado para o processo produtivo, temos ferramentas conhecidas pela sua eficiência na contribuição em resolver gargalos, elaborar e medir processos, entre outras coisas. Com um bom software de gestão de processos, é possível desenvolver uma estratégia de gestão e melhoria contínua, tornando útil a identificação de perdas com o intuito de reduzir custos de produção, por exemplo. Também é possível estabelecer indicadores, que permitem uma análise mais apurada dos resultados, garantindo aos gestores as melhores decisões possíveis que devem tomar para eliminar ou diminuir os prejuízos nos processos produtivos. Por fim, a elaboração de novos fluxos permitirá à empresa refazer seus processos e medi-los ao longo do tempo, com o objetivo de atingir os resultados esperados.   Com a ajuda das ferramentas acima, é possível localizar e solucionar gargalos de forma eficiente, proporcionando a correção de falhas nos processos produtivos e, consequentemente, a sua manutenção ao longo do prazo.   Continue acompanhando nossos materiais e fique por dentro de nossas dicas e muito mais.

Leia mais: Como controlar seus indicadores com o Hinc.