Gestão de indicadores, Sem categoria

Saiba quais são os indicadores de produtividade baixa de uma equipe

Estamos vivendo um momento delicado na economia nacional e é nestes períodos que o assunto ‘produtividade’ volta à tona — aliás, nunca deve sair da pauta. De acordo com a entidade americana de pesquisas Conference Board, um trabalhador americano produz quatro vezes mais do que um brasileiro. Ou seja, temos muito a fazer para elevar nossa produtividade baixa. No momento, ajudar os processos a fazer mais com menos é uma das medidas mais inteligentes que as empresas devem tomar para manter o crescimento orgânico e atravessar a crise sem grandes abalos. Como sabemos, muitas vezes é normal que os gestores pensem que está tudo bem em relação à produtividade. No entanto, sabe-se que sempre existem formas de aprimorar os processos. Por isso, separamos quatro indicadores que mostram de forma clara que a produtividade da equipe está baixa. Acompanhe:

Quais são os indicadores de produtividade de uma equipe?

Metas não alcançadas com frequência

Este é um dos indicadores mais óbvios de que a produtividade está baixa: o cronograma dos projetos, ou seja, os números de entregas e as horas de produção não estão sendo atingidos no período estimado. O que é preciso fazer para que as coisas melhorem? Ajustar algum processo? Disponibilizar alguma ferramenta? Melhorar a liderança? Se foram traçadas metas, foi porque a empresa as considera perfeitamente alcançáveis. Por isso é preciso descobrir onde está o gargalo para resolver o quanto antes.

Delegue, confie e analise.

Se nos últimos tempos foram contratados mais profissionais e o volume da produção da equipe continua o mesmo, esse é um sinal claro de baixa produtividade. Uma das formas de fazer essa constatação é comparar os relatórios do período anterior às novas contratações e fazer uma mensuração de desempenho da equipe. Nesse momento, é preciso agir para encontrar a dificuldade o quanto antes. Será que a interdependência está muito acirrada? Ou seja, será que muita gente está precisando da colaboração de outras pessoas para finalizar seu trabalho? Se for o caso, é preciso aumentar as autonomias e estimular os colaboradores a finalizar suas atividades sem necessitar de auxílios ou supervisões.

Excesso de retrabalho

Documentar e medir a quantidade de retrabalho também é um indicador que pode ajudar a quantificar e entender a baixa produtividade. É preciso compreender porque a equipe está precisando refazer algumas de suas atividades. O gargalo pode estar na qualificação dos profissionais e também em dificuldades com ferramentas, equipamentos e falta de planejamento. A liderança precisa estar atenta nas dificuldades e também ouvir o feedback dos colaboradores para ajudá-los a melhorar a qualidade das entregas e evitar os erros.

Absenteísmo alto ou desempenho individual aquém do esperado

Medir o número de faltas dos trabalhadores durante um determinado período e também acompanhar o desempenho individual pode ajudar a planejar ações que evitem a produtividade baixa. A equipe fica muito defasada quando um dos membros falta? As atividades individuais estão sendo feita num ritmo menor do que o esperado? A liderança deve fazer esta mensuração e tratar cada caso individualmente, mostrando a cada um sua importância na operação e cobrando desempenho para que o todo não saia prejudicado. Você identificou algum destes problemas em sua equipe? Tem mais alguma dúvida sobre o assunto? Deixe um comentário!

Dica: Leia também o Whitepaper – Dicas para Integrar sua empresa.